Programa Jovem Aprendiz CIEE: o que é e como participar

Muitos jovens sentem dificuldade de entrar no mercado de trabalho, que está sempre em busca de profissionais experientes e flexíveis para lidar com mudanças.

No entanto, eles podem contar com o , que existe para tornar mais fácil a vida de milhares de jovens que sonham com o primeiro emprego.

Pensando nisso, hoje vamos detalhar todos os passos para você conquistar sua primeira oportunidade de emprego! Saiba mais a seguir.

O Programa Jovem Aprendiz CIEE

Programa Jovem Aprendiz CIEE

Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) trata-se de uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos.

Essa federação é reconhecida como uma corporação atrelada à assistência social que, através de programas como o de estágio de estudantes, torna possível a inserção de jovens e adolescentes no mundo do trabalho.

Vale ressaltar que o Programa Aprendiz Legal CIEE é associada a essas iniciativas que buscam inserir os jovens no mercado de trabalho.

Como funciona o Programa Aprendiz Legal CIEE?

Devido aos seus conhecimentos teóricos adquiridos em encontros de formação, o aprendiz legal é conduzido a desenvolver o aprendizado prático dentro de uma empresa.

Na instituição contratante, o jovem aplica e desenvolve seu aprendizado com a prática. Além do apoio de colegas de trabalho e principalmente de seu educador corporativo.

Jornada de trabalho do jovem aprendiz

Para os jovens que já tenham concluído o ensino médio, admitem-se 8 horas diárias de trabalho. Enquanto aos aprendizes que ainda estudam, a jornada de trabalho não pode ser superior a seis horas por dia.

Além disso, o jovem aprendiz possui todos os benefícios que os outros empregados possuem, como férias, décimo terceiro e carteira assinada.

Quanto ganha o jovem aprendiz no CIEE?

De acordo com a estimativa dos relatórios de trabalho que foram publicados no site Glassdoor, o salário do jovem participante do Programa Jovem Aprendiz CIEE varia de R$452 a R$1.342.

Inscrição do Programa Jovem Aprendiz CIEE

Programa Jovem Aprendiz CIEE

Para se tornar um jovem aprendiz pelo CIEE, é necessário ter de 14 a 24 anos incompletos. Fora isso, é necessário estar cursando o ensino fundamental ou o ensino médio.

É importante ressaltar que não há idade máxima para aprendizes portadores de necessidades especiais.

Logo, se você atende a todos esses requisitos, basta clicar aqui e em seguida, vai ter acesso ao site do Aprendiz Legal. Dentro dessa página, encontre a instituição do seu estado que participa do programa.

Após isso, você vai ser direcionado a outra página na qual será preciso preencher suas informações pessoais, bem como dados a respeito de sua escolaridade.

Seleção dos jovens aprendizes que participam do programa

A instituição que está em parceria com o programa, considera a localização em que o jovem reside e estuda para que assim, o seu deslocamento até o trabalho seja facilitado.

Desse modo, são selecionados pelo menos três jovens que estão de acordo com o perfil que a empresa solicitou. Por fim, se encaminha todos os perfis escolhidos para que a organização em questão dê o aval final.

Cursos disponíveis ao jovem aprendiz pelo CIEE

A respeito da Aprendizagem Teórica Básica, o jovem tem conhecimento sobre o “Mundo do Trabalho”. Confira:

  • Leitura e compreensão de textos — comunicação oral e escrita;
  • Inclusão digital.
  • Raciocínio lógico-matemático;
  • Diversidade cultural brasileira;
  • Planejamento e controle do processo de trabalho e trabalho em equipe;
  • Noções de direitos trabalhistas e previdenciários e do Estatuto da Criança e do adolescente – ECA.
  • Saúde e segurança do trabalho.
  • Direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo religioso ou opinião política.
  • Educação Fiscal para o exercício da cidadania.
  • Formas alternativas de geração de trabalho e renda com enfoque na juventude.
  • Educação financeira e para o consumo.
  • Informações sobre o mercado e o mundo do trabalho.
  • Prevenção ao uso de álcool, tabaco e outras drogas.
  • Educação para a saúde sexual reprodutiva, com enfoque nos direitos sexuais e nos direitos reprodutivos e relações de gênero.
  • Políticas de segurança pública voltadas para adolescentes e jovens.
  • Incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, com enfoque na defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania.

Ficou com alguma dúvida ou quer fazer um comentário? Fique a vontade, abaixo tem uma área destinada a essa finalidade!

Paulo Victor Silva
Estudante do curso de Jornalismo pela UFES. Dono de uma mente inquieta e curiosa. Além disso, é amante da leitura e apaixonado pela música.

Deixe seu comentário