PIX: Os riscos de utilizar o serviço como um aplicativo de relacionamento

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, foi criado para facilitar as negociações e diminuir a burocracia, mas muita gente anda utilizando o aplicativo para flertar na internet. A prática anda se popularizando entre alguns usuários e ganhou até apelido: Pixtinder.

A plataforma está sendo utilizada para enviar mensagens informais e de namoro da seguinte forma: o usuário faz transferências de poucos centavos utilizando a chave Pix e aproveita para enviar sua mensagem, tornando o Pix uma rede de paquera.

Existem até grupos em redes sociais criados para que as pessoas postem suas chaves de identificação para encontrar o “match”. Pode parecer uma brincadeira inofensiva, mas existem muitos riscos ao adotar esta conduta.

pixtinder

Os riscos do “Pixtinder”

Utilizar o Pix para realizar transferências de baixo valor para paquerar pode expor os usuários que adotam esta prática a diversos riscos. Uma das maiores preocupações dos especialistas é de que ocorra uma sobrecarga no sistema do Banco Central, devido às transferências excessivas de baixo custo.

Se a situação se disseminar em proporções maiores, é possível que o Banco Central limite algum valor mínimo para fazer transferências. Além disso, é possível que aconteça um vazamento de dados pessoais dos usuários que estão compartilhando informações sensíveis em redes sociais para divulgar a chave Pix, como o caso do CPF, número de telefone ou e-mail.

Os usuários do “Pixtinder” também estão expostos a riscos de fraudes e clonagens. Por exemplo, se sua chave Pix for seu número de telefone, é provável que seu WhatsApp seja clonado. Ao ceder informações pessoais para brincadeiras indevidas, você corre o risco de ter a conta invadida perder tudo o que tem.

Por isso é importante ter consciência e trocar mensagens de relacionamento apenas em aplicativos de paquera e em redes sociais, sem envolver dados sensíveis e questões financeiras.

O Banco Central tem a responsabilidade de manter em sigilo e garantir a privacidade dos usuários do Pix. Mas se você fornecer seus dados a desconhecidos, não pode recorrer ao BC, caso caia em um golpe ou tenha informações fraudadas, pois optou por divulgar informações pessoais.

Dica de segurança Pix

Além de não entrar na onda do “Pixtinder” e expor seus dados pessoais, existem dicas de segurança interessantes para quem não quer usar CPF, e-mail, telefone ou qualquer outra informação pessoal como chave Pix.

Uma das formas de se proteger de golpes e fraudes é utilizando uma chave aleatória, composta por letras, números e símbolos, gerada pelo Pix. Mas também é possível excluir e criar novas chaves Pix a cada pagamento ou transferência. 

Dá mais trabalho, mas faz com que você não compartilhe seus dados com terceiros e evita que caia em armadilhas. Sendo assim, as principais vantagens da chave aleatória são a privacidade e a segurança dos seus dados.

Como gerar chave aleatória

Para evitar expor seu CPF e telefone ao utilizar o Pix, é preciso gerar uma chave aleatória. Mas se você ainda está com dúvidas, não se preocupe, pois criamos um tutorial sobre como gerar chave aleatória.

O primeiro passo é acessar o aplicativo do seu banco em que esteja com o Pix cadastrado. Depois, clique em “Minhas chaves”, onde você poderá criar ou alterar seu código. Ao clicar em “Chave aleatória”, o sistema gerará automaticamente uma chave para você.

Pronto, agora sua chave aleatória Pix está pronta para ser utilizada e compartilhada com seus contatos, sem que você esteja à mercê de criminosos virtuais.

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Luterana do Brasil de Canoas/RS.

Deixe seu comentário