Leilão online: como funciona e saiba sobre seus custos

Para quem deseja adquirir produtos com preços mais baixos, o leilão online é uma boa opção. Isso porque órgãos privados e públicos oferecem itens com valores bem atrativos.

No entanto, antes mesmo de fornecer seus dados pessoais, é preciso tomar algumas precauções.

E por isso, hoje vamos tirar todas as suas dúvidas a respeito! Saiba mais a seguir.

O que é um leilão online?

Leilão online

O leilão online, também conhecido como leilão eletrônico é um modo virtual de vender e comprar produtos.

Assim, para cada item ofertado em negociação, estipula-se um preço mínimo. Desse modo, aquele cujo lance é o melhor, arremata o produto em leilão.

O que costuma ser leiloado?

No Brasil, há uma variedade imensa de itens que são levados a leilão. Tanto as plataformas privadas como as públicas, ofertam objetos de decoração, automóveis, imóveis e até aparelhos eletrônicos (videogames).

O leilão online é seguro?

Desde que o participante do leilão tome algumas precauções quanto à segurança, sim, os leilões são seguros.

Para isso, é de extrema importância analisar a reputação do site antes mesmo de cadastra-se nele e enviar dados bancários.

Caso for participar de leilão de carros, por exemplo, acesse o site do DETRAN e confirme se realmente o leilão está sendo realizado pelo leiloeiro que o órgão designou.

Sobre o lance do leilão online

Depois de verificar que o site organizador do leilão é confiável, para poder dar lances, vai ser necessário efetuar o cadastro no site do leiloeiro.

A respeito disso, observe o tempo em que o leilão vai permanecer no ar e se atente às instruções da plataforma.

Em leilões organizados pela Receita Federal, até a véspera do pregão é necessário mandar sugestões sobre o valor por lote.

De que forma acontece o pagamento?

Após o arremate, o leiloeiro anuncia o vencedor do leilão. Para isso, ele fornece os dados do item vendido, dados bancários, valores e instrui o como deve acontecer o pagamento.

Por norma, se paga via depósito integral em TED ou dinheiro. Assim que o arrematante fizer a compra, ele precisa enviar ao leiloeiro, o comprovante para que a nota fiscal e o bem arrematado sejam liberados.

Além do bem arrematado, há outros custos?

Pequenos detalhes passam despercebidos devido aos preços que chamam atenção. Por isso, é necessário ficar atento a outros custos e ler atentamente o edital antes mesmo de participar do leilão.

Em sua grande parte, os bens vendidos são oferecidos conforme o que foi anunciado, contudo, não vêm com garantia. E isso pode fazer com que gere despesas extras depois do arremate.

Outro fato importante a ser levado em consideração diz respeito à localidade do produto. Isso porque haverão despesas relacionadas à remoção, desmontagem e ao transporte dos bens arrematados.

Vale lembrar que todos esses gastos que envolvem a compra do produto são de inteira responsabilidade do arrematante.

Sobre os leilões da Receita Federal e do DETRAN

De acordo com a Portaria RFB n° 2.206/2010, os produtos abandonados em alfândegas ou apreendidos, objeto resultado de importação clandestina ou pelo não recolhimento de impostos, podem ser leiloados.

No caso do DETRAN, conforme o artigo 328 do Código de Trânsito Brasileiro, os veículos automotores que foram apreendidos e, por conseguinte, removidos pelo DETRAN do estado em questão, podem ir a leilão.

A respeito disso, vale evidenciar que o veículo só pode ser levado a leilão se o proprietário não recorrer dentro de um período de 60 dias.

Ficou com alguma dúvida ou quer fazer um comentário? Fique a vontade, abaixo tem uma área destinada a essa finalidade!

Paulo Victor Silva
Estudante do curso de Jornalismo pela UFES. Dono de uma mente inquieta e curiosa. Além disso, é amante da leitura e apaixonado pela música.

Deixe seu comentário