IOF – O que é? Quais as taxas atualizadas do imposto?

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é um tributo que merece atenção especial de investidores. Afinal, na hora de calcular a rentabilidade de um investimento, este imposto pode passar despercebido.

Como o nome já diz, IOF é um tributo presente em diversas operações financeiras, inclusive empréstimos e financiamentos. Mas ele também é muito conhecido por seu efeito nas compras de moedas, transações realizadas no exterior e em investimentos de capital.

No texto a seguir, vamos entender melhor como funciona este tributo, e quais são os seus valores.

iof

O que é IOF?

Trata-se de um imposto federal que recai sobre a maior parte das operações financeiras, sejam elas realizadas por indivíduos, empresas, bancos ou seguradoras. Entre as principais operações estão: empréstimos, contratações de seguros, compras no exterior, investimentos, uso do cheque especial, compras de moedas etc.

O IOF é uma das principais fontes de arrecadação do governo, é pode ter o seu valor modificado a qualquer momento, sem depender de aprovação do Congresso Nacional.

Além disso, o tributo serve para o governo regular a economia. Isso porque a arrecadação do imposto é uma base para analisar a demanda de crédito no mercado brasileiro, pois quanto maior a arrecadação de IOF, mais operações financeiras aconteceram.

Sendo assim, a avaliação deste movimento influencia a elaboração de políticas econômicas no país. Entretanto, cabe destacar que o aumento na arrecadação do tributo nem sempre significa que a economia está crescendo, pois ele também incide sobre empréstimos.

Qual o valor deste imposto?

O valor da alíquota do IOF varia de acordo com o tipo de operação financeira, além do seu valor e do tempo. Veja a seguir o valor do tributo em cada caso:

  • Compras internacionais no cartão – 6,38%. Este é o percentual de IOF para compras no exterior tanto para cartões de crédito, quanto para pré-pago, que são levados para viagem com um valor pré-estabelecido. Além disso, a taxa de 6,38% também vale para compras feitas dentro do país em sites internacionais.
  • Compra ou venda de moeda estrangeira – 1,1%. Valor pela operação de câmbio de moedas estrangeiras em espécie. Em relação à compra de moedas estrangeiras, recomendamos este artigo sobre as melhores estratégias para adotar.
  • Empréstimo ou financiamento – 0,38%. Nas operações de empréstimos e financiamentos são cobradas este valor de IOF mais um percentual de 0,0082 por dia, calculado conforme o prazo de pagamento. Mas estes valores não se aplicam para financiamentos de imóveis residenciais, pois estas são operações isentas de IOF.
  • Cheque especial ou crédito rotativo – 0,38%. Nestas operações referentes a atrasos em pagamentos, é cobrada a taxa de 0,38% sobre o valor mais 0,0082% ao dia. Mas cabe destacar que o IOF diário acumulado não pode superar os 3%. Mesmo assim, é fundamental evitar estas cobranças, pois além do IOF elas também têm os maiores juros do mercado.
  • Seguros – de 0,38% a 25%. No caso dos seguros, a variação do valor do IOF é grande. Além disso, a alíquota pode incidir sobre o prêmio ou  montante pago à seguradora. Nos seguros de casa e carros, por exemplo, a taxa pode ser aplicada sobre o valor total e chega ao valor de 7,38%. 

Valor do IOF para investimentos

No caso dos investimentos, as cobranças de IOF têm algumas especificidades. Em determinados títulos privados de renda fixa e fundos, o tributo é cobrado somente nos primeiros 30 dias de aplicação. A sua aplicação sobre o valor do rendimento se dá no momento da recuperação do investimento.

Os investimentos sujeitos a cobrança de IOF são:

  • Certificados de Depósito Bancário (CDBs);
  • Títulos do Tesouro Direto;
  • Letras Financeiras (LFs);
  • Fundos de Curto Prazo;
  • Fundos DI.

Enquanto isso, os investimentos em LCA, LCI e na caderneta de poupança são isentos de IOF, seja qual for o tempo de resgate. A lista de operações isentas ainda conta com as compras e vendas de ações.

Conforme já dissemos, quem espera mais de 30 dias para resgatar o valor investido fica isento de IOF. Mas antes desse prazo a cobrança do imposto é regressiva. Dessa forma, quanto antes o investidor recuperar o dinheiro, maior a taxa de IOF.

Para quem resgatar a aplicação no dia seguinte ao investimento, o valor do imposto é de 96% sobre os rendimentos. Dois dias depois da aplicação, é de 93%, e assim sucessivamente até chegar a zero.

Por fim, o cálculo do IOF é bastante simples: basta multiplicar o valor da operação pela alíquota do imposto.

Sendo assim, se você fizer uma compra internacional com cartão de crédito no valor de R$ 1 mil, é só calcular 1.ooo x 6,38% (percentual para este tipo de operação). Nesse caso, o resultado será 63,80, que é o valor de IOF pago na transação.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário