INSS vai pagar mais de R$ 62 mil em atraso ainda em 2020

Cerca de R$ 62,7 mil em atraso vão ser pagos pelo INSS para mais de 70 mil pessoas no Brasil, ainda em 2020. A Justiça Federal liberou, nesta semana, mais de R$ 978,7 milhões para o pagamento das dívidas do INSS dos segurados que venceram o órgão no Judiciário.

As quantias em atraso são chamadas de Requisições de Pequeno Valor (RPVs). Os valores são de até 60 salários mínimos, o equivalente a R$ 62,7 mil em 2020. Cerca de 73.445 beneficiários de todo o Brasil devem receber os valores atrasados.

Foram vencidos 58.693 processos contra o instituto para a concessão ou revisão de benefícios atrasados. Neste mês, o lote contempla os beneficiários que tiveram a ordem de pagamento expedida pelo juiz em setembro.

Beneficiários que moram em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, atendidos pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, vão ter R$ 203 milhões destinados ao pagamento de suas RPVs. A fase de processamento dos valores devem encerrar na próxima semana.

O processamento envolve a abertura de contas no Banco do Brasil e na Caixa, em nome do segurado ou de seu advogado. Logo, o dinheiro já vai estar disponível na conta dos beneficiários.

Consulta ao valor de novembro

Quem deseja realizar uma consulta para saber se vai receber sua RPV de novembro, precisa acessar o site do Tribunal Regional Federal da 3ª Regional. Já no site, o beneficiário deve clicar na opção “Requisições de pagamento”.

Após, é preciso digitar seus dados e do seu advogado. Vai receber o pagamento no lote de novembro quem tiver uma RPV em atraso cuja data de protocolo tenha a data no mês de outubro. Outro ponto a ser observado é o mês da proposta; nele, é preciso constar “11/2020”.

Documentos exigidos

Os beneficiários que vão receber o pagamento de atrasados pelo Banco do Brasil devem estar atentos à documentação exigida. Confira abaixo a lista com os documentos necessários:

  • RPVs sem alvará: documentos de identificação e procuração (caso seja alguém representando o beneficiário, como por exemplo, por um advogado);
  • RPVs com alvará: documentos acima + o alvará judicial que autoriza o levantamento.

Além de retirar o dinheiro presencialmente direto nas agências do Banco do Brasil, a instituição recomenda que os correntistas adotem a modalidade de resgate automático de precatórios e RPVs. Desta forma, o crédito vai poder ser emitido sem a exigência de alvará até o próximo dia útil.

Já na Caixa Econômica Federal, é preciso apresentar CPF e documento de identificação com foto, original e cópia simples. Apenas com estes documentos é possível realizar a autenticação na própria agência bancária. Em alguns casos também é preciso Alvará da Justiça Federal.

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Luterana do Brasil de Canoas/RS.

Deixe seu comentário