INSS: Prova de Vida por Biometria Facial. Veja como Funcionará

O INSS – Instituto Nacional do Seguro Social -, começou recentemente um projeto piloto sobre a prova de vida por meio da biometria facial. Nesta primeira fase, mais de 500 mil beneficiários vão participar em todo o país.

Esse programa possui parceria direta com a Secretaria de Governo Digital – SGD, em conjunto com o Ministério da Economia e também da Dataprev.

Veja mais abaixo sobre como funcionará esse processo, quem poderá fazer, além de informações importantes. Fique por dentro.

INSS: Prova de vida por biometria facial – Como vai funcionar?

Os primeiros contatos direto com os segurados irão acontecer logo nos próximos dias por meio do INSS via mensagens enviadas pelo app Meu INSS, Central 135 e também pelo e-mail.

Os segurados, em sua maioria, já devem ter feito o processo da prova de vida, mas, é interessante que realizem novamente o procedimento, para que assim possam ser contatados pelo INSS.

Para fazer a biometria facial o INSS usa como base os dados do Denatran – Departamento Nacional de Trânsito -, além do TSE – Tribunal Superior Eleitoral. Serão escolhidos aqueles segurados que tenham carteira de motorista e também o título de eleitor.

Mesmo sendo conhecido como um projeto-piloto, a prova de vida vale da mesma maneira, sendo que o segurado não tem a necessidade de se deslocar até uma agência bancária para dar início ao processo.

A prova de vida é tida como obrigatória para todos os segurados do INSS que já receberam seu benefício por meio da conta corrente, conta poupança ou até mesmo por meio do cartão magnético.

De forma anual, os segurados precisam fazer a comprovação de que estão vivos, para assim, poder gerar mais segurança para o próprio cidadão e também a todo o Estado brasileiro, evitando possíveis fraudes e demais pagamentos não devidos para os beneficiários.

Como será feito esse processo?

Essa prova de vida digital será feita diretamente pelo processo de reconhecimento facial, por meio do uso da câmera do celular do cidadão, direto pelo app do Meu INSS e também pelo app do Governo Digital, do qual irá fazer a indicação se a pessoa que apresentar o CPF foi informado de forma correta no cadastramento do INSS.

Mas, como ainda é um processo em fase de testes, o ícone para conseguir fazer a prova de vida digital estará disponível diretamente pelo app do Meu INSS, apenas para os beneficiários que forem selecionados, não sendo utilizado de forma genérica.

Assim, quem for contatado pelo INSS para participar do projeto, terá acesso exclusivo ao serviço de início.

Como funciona atualmente?

Com sua ação suspensa desde o mês de setembro deste ano por causa das precauções pela pandemia, a prova de vida é obrigatória para todas as pessoas que são asseguradas pelo INSS.

Essa comprovação geralmente é feita diretamente na instituição bancária da qual o segurado recebe o respectivo benefício.

No momento, esse procedimento de prova de vida é feito de forma presencial, basta que o beneficiário leve consigo um documento de identificação com foto (pode ser a carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira nacional de habilitação ou outros) direto para um funcionário responsável.

Em algumas das instituições bancárias, o procedimento pode ser feito por meio da tecnologia da biometria, sendo apenas direto nos terminais de autoatendimento.

Como é feita a prova de vida por meio da biometria?

Por meio do app do Governo Digital, o segurado pode enviar uma foto, da qual será utilizada para fazer o reconhecimento facial em duas fases:

  1. Prova de vivacidade;
  2. Prova de identidade.

Depois dessas duas fases, o app irá indicar se essa pessoa é a mesma do CPF que foi informado durante o cadastramento.

O cidadão é orientado por meio do app Meu Gov para centralizar a foto de seu rosto, virar para a direita a face, fechar os olhos, dar um sorriso, virar o rosto para o outro lado, e assim, fazer a captura de biometria por meio da foto. Dessa forma, é possível confirmar todas as informações do indivíduo.

Essa prova de identidade é feita da seguinte forma: se a biometria do cidadão for validade por meio do TSE, será preciso informar o número do título de eleitor. Se a biometria for feita por meio do Denatran, será preciso a data da Emissão da Carteira de Habilitação.

Avatar
Jornalista formada pela PUCPR viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Deixe seu comentário