Abono Natalino e Auxílio Emergencial devem ser depositados juntos

Todos os anos, o Governo Federal concede o abono natalino aos beneficiários do Bolsa Família. A medida é uma espécie de décimo terceiro salário do programa. Mas com as mudanças na gestão do governo Jair Bolsonaro, a situação está incerta, já que a MP 898/20, que garante o abono natalino, perdeu a validade em 2020 e ainda não foi renovada.

Porém, de acordo com o presidente, sua equipe econômica já está trabalhando para garantir o benefício aos brasileiros cadastrados no Bolsa Família. A União garante que, mesmo que a Medida Provisória não seja renovada, o 13º do Bolsa Família vai ser pago. 

O abono natalino é depositado em dezembro e as datas variam de acordo com o número final do NIS, que está descrito no cartão de cada beneficiário. O valor é depositado automaticamente nas contas cadastradas no programa, sem necessidade de qualquer solicitação. 

A equipe econômica de Jair Bolsonaro pretende substituir o Bolsa Família pelo Renda Cidadã, ainda em 2020. Mas é praticamente certo que o abono natalino permanecerá na reformulação do programa. E não é preciso se preocupar com o cadastro no Renda Cidadã, já que todos os beneficiários do Bolsa Família vai ser transferidos automaticamente pelo governo para o novo projeto. 

Abono Natalino e Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial foi concedido aos brasileiros logo no início da pandemia da Covid-19, com o objetivo de ajudar famílias vulneráveis e microempreendedores que encontraram grandes dificuldades durante este período de crise. Nos seis primeiros meses, os brasileiros receberam R$ 600 mensais; mães chefes de família receberam R$ 1,2 mil neste período. Após as seis primeiras parcelas, os brasileiros passaram a receber metade do valor inicial. 

Durante o período de Auxílio Emergencial, os beneficiários do Bolsa Família automaticamente receberam o benefício de maior valor, ou seja, o auxílio do governo. O Ministério da Economia ainda não definiu as datas do pagamento do abono natalino. De acordo com a equipe econômica de Bolsonaro, é possível que alguns cortes sejam feitos para que os dois valores possam ser pagos simultaneamente. 

Sobre o Renda Cidadã

O Renda Cidadã será a reformulação do Bolsa Família. O novo programa do governo promete melhorias no sistema de benefícios e deve entrar em funcionamento em 2021. 

Com o impasse sobre o financiamento do novo programa e a pressão do mercado para manter o teto de gastos, o Renda Cidadã vai ser implementado para dar fôlego à equipe econômica de Paulo Guedes.

Com a reformulação do Bolsa Família, o Ministério da Economia pretende conseguir apoio para o corte de despesas, além de encaixar o programa social dentro dos limites do teto.

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Luterana do Brasil de Canoas/RS.

Deixe seu comentário